Ferreira Gular

Aqui me tenho
como não me conheço
nem me quis

sem começo
nem fim

aqui me tenho
sem mim

nada lembro
nem sei

à luz presente
sou apenas um bicho
transparente.

Christian Schloe





















      Christian Schloe é um pintor austríaco que mistura ilustração digital e fotografia. As suas figuras femininas são elevadas a seres humanizados, marcadas por um olhar surrealista que recria universos naturais em atmosferas oníricas. Enquanto a beleza dos traços femininos pode nos fazer lembrar o renascentista Rafael Sanzio, a atmosfera onírica e a composição das imagens remetem aos modernos surrealistas, como Magritte, Max Ernst e até Dalí. 

Fernando Pinto do Amaral

Podes ficar aqui?

Não vás embora,
precisarei de mais alguns minutos,
horas, dias, semanas, meses, anos,

eternidades para te esquecer.

Melanie Safka - Brand New Key



I rode my bicycle past your window last night
I roller skated to your door at daylight
It almost seems like you're avoiding me
I'm okay alone but you've got something I need.


Well, I've got a brand new pair of roller skates
You've got a brand new key

I think that we should get together and try them on to see
I've been looking around awhile
You've got something for me
Oh I've got a brand new pair of roller skates
You've got a brand new key

I ride my bike I rollerskate don't drive no car
Don't go too fast but I go pretty far
For somebody who don't drive
I've been all around the world
Some people say I've done alright for a girl Oh, yeah!

I asked your mother if you were at home
She said yes, but you weren't alone
Sometimes I think that you're avoiding me
I'm okay alone but you've got something I need.

      Melanie Safka e os amores da juventude que nunca morreram. 

Inês Lourenço - Irmãos Karamazov

Perguntava à menina da livraria
por estes irmãos, cujo nome
ela dedilhou no teclado
com óbvias letras erradas.
- É recente? – indagou
com uma prestável candura.
O eventual comprador parecia
não saber ao certo. Uma espécie
de desânimo atravessa-me os sentidos
na memória nostálgica
dos meus verãos adolescentes, falésias
de tardes febris com a pele
das páginas onde Aliocha e Ivan
ou Sónia e Raskolnikoff
iluminavam a culpa e o temor
que fatalmente já me pertenciam.

      Não se lê para o espírito, lê-se para compor os motores, acelerar as quantidades, aumentar os lucros e minimizar os custos da mão de obra. A menina da livraria poderá um dia não ter emprego. 

Fernando Assis Pacheco - Com a tua letra

Porque eu amo-te, quer dizer, eu estou atento
às coisas regulares e irregulares do mundo.
Ou também: eu envio o amor
sob a forma de muitos olhos e ouvidos
a explorar, a conhecer o mundo.

Porque eu amo-te, isto é, eu dou cabo
da escuridão do mundo.
Porque tudo se escreve com a tua letra.

Fernanda de Castro

Tenho pena de ti, pobre criança.
Em nome da ciência,
quantos cruéis abusos de confiança!
Roubaram-te a inocência.

Sabes tudo o que havias de saber
a anos de distância.
quando já fosses homem ou mulher,
e sujaram-te a infância.


      O pior da escola, disse-me um amigo, é que ela já não educa para sermos felizes mas para reproduzir os interesses capitalistas.

Cecília Meireles

Encostei-me a ti, sabendo bem que eras somente onda.
Sabendo bem que eras nuvem, depus a minha vida em ti.

Como sabia bem tudo isso, e dei-me ao teu destino frágil,
fiquei sem poder chorar, quando caí.

Arsen Kurbanov
















A infância que é de todos nós por um pintor russo a descobrir. A óleo.

Cassiano Ricardo

Lua
morta

Rua
torta

Tua
porta

Casimiro de Brito

Ontem caminhei
Nos campos de chuva; hoje
chove dentro de mim.

Carlos Queirós

Por tudo o que me deste:
- Inquietação, cuidado,
(um pouco de ternura? É certo, mas tão pouco!)
Noites de insónia, pelas ruas, como um louco...
- Obrigado, obrigado!
Por aquela tão doce e tão breve ilusão,
(Embora nunca mais, depois que a vi desfeita,
Eu volte a ser quem fui), sem ironia: aceita
A minha gratidão!
Que bem me faz, agora, o mal que me fizeste!
- Mais forte, mais sereno, e livre, e descuidado...
Sem ironia, amor: - Obrigado, obrigado
Por tudo o que me deste!

Cecile Corbel - Entendez Vous



C'est une histoire
Du temps passé
Échappée d'un songe
Simple mensonge
Ou vérité
Pour qui veux l'entendre

Auprès d'un chêne
Abandonné
Un enfant repose
Dans un carré de laine
Et l'arbre assoupi
Étends ses branches

" Berce l'enfant
tout contre lui"

   Entendez-vous là-haut
   Cette chanson comme une symphonie
   resteront- elles closes
   Les portes vers le paradis?

L'enfant s'endort
Paupières closes
Si loin de chez lui
Toutes les étoiles du ciel
Vont le veiller ensembles
Du fond de la nuit

"Couvre l'enfant
Manteau d'argent"

Messire le Vent
Je vous en pris
Entendez ma cause
Vous qui soufflez au dehors
Menez l'enfant
Sur le dos de la brise

"Portez l'enfant
Dans son berçeau"


Carlos Poças Falcão

Todos sabemos acender um fósforo
a quem nos pede lume.

Talvez fosse uma conversa
possível até ao fim. Mas o mais vulgar
é ficarmos onde estamos
com o fósforo aceso à beira do rosto

— e antes de haver tempo
a chama queima os dedos.

Carlos Nogueira Pinto

o profeta anuncia os personagens
por ordem alfabética
e vira as ampulhetas o futuro é o último sangue
ainda não derramado

pouparão as muralhas os meus olhos em alvo

por eles me fiz náufrago no dorso das areias
por elas o meu peito aguarda que o resgatem

todo o olhar
é um rio
que brota para dentro e mancha o coração o profeta
é um manto tecedor de oráculos
e nós quem o sustem acima do destino.

Augusto Gil - A Tout Seigneur

No teu pescoço esbelto de morena
Usas, às vezes, um decote em vê.

Essa letra, porém, é tão pequena
Que mal se lê,
Que mostra apenas, dentre o que escondeu,
Uma nesga inestética e minúscula.

Ora um colo como o teu…
Merece letra maiúscula.

A arte naif de Emilio Giunchi





  
  








      A arte de viver em felicidade de uma comunidade de frades. A articulação da fé com o mundo, do espírito com a matéria.

Karan Casey - Beat of My Heart



An gcloiseann tú bualadh mo chroí
Buile mo chroí
Greadadh mo chroí
An gcloiseann tú greadadh mo chroí

Are you hearing the beat of my heart
The pain of my heart
The scrape of my heart
Are you hearing the scrape of my heart

An mbraitheann tú cuisle mo chroí
I dtearmann do lámha
I ngéibheann do ghrá
An mbraitheann tú cuisle mo chroí

Are you feeling the pulse of my heart
In the palm of your hand
In the jail of your love
Are you feeling the pulse of my heart

Tá botún sa tsaol
Nach maithim do Dhia
An ghrian i do shúil
Ag teacht idir mé agus solas an lae
Tá botún sa tsaol

There’s a fault in this world
And I won’t forgive God
The sun in your eye
That comes between me and the light of the sky
There’s a fault in this world

An gcloiseann tú bualadh mo chroí
Buile mo chroí
Briseadh mo chroí
An gcloiseann tú briseadh mo chroí

Are you hearing the beat of my heart
The pain of my heart
The break of my heart
Are you hearing the break of my heart

Tá cóta an athar
Ró-mhór dá mhac
A bhróga caite
Ar chosa mo mhic
Ag bualadh mo chroí
Greadadh mo chroí
Stracadh mo chroí
An mbraitheann tú caitheamh mo chroí

Your old man’s coat
Is too big for you boy
His worn out shoes
On the feet of my son
Kicking my heart
Breaking my heart
A tearing my heart
Are you wearing the tear of my heart

Sioscadh mo chroí
Doirteadh mo chroí,
An gcloiseann tú doirteadh mo chroí
Ciúnas mo chroí
Uaigneas mo chroí
An gcloiseann tú uaigneas mo chroí
Cogar a chroí.

      O dialecto está traduzido na própria canção.

Arménio Vieira

Quando um homem pega numa fruta e a leva à boca
Há sempre um polícia que diz “alto aí!, pois essa é do patrão”
O malefício de algumas víboras é mesmo isso:
Fuzilam-te com o olho direito.

Mas a desgraça não pára aqui:
Sempre que um homem tenta dizer uma certa palavra
Morre enquanto pronuncia a letra A
(uma bomba explode no meio do alfabeto).

E porque não havia de ser assim
Se o mínimo que de uma barata se ouve dizer num parlamento
É que ela vai ser a cantora eleita?

Por isso continuo a jurar que de todos os músicos
Prefiro aquele que se senta ao piano e diz que é surdo.

E quando me dão a escolher entre um cavalo e uma bicicleta
Fecho os olhos e escolho um caracol.
E depois, como não sei que fazer desse animal,
Fico parvo a olhar para ele.

Pois é: um caracol (assim como um soneto)
Será sempre uma máquina estupidamente lenta
No meio d’automóveis que dão tantos à hora.

O olhar de Deus contempla a minha cidade.
Porém, não há estátua que preste na minha cidade.

      Arménio vieira é um poeta de Cabo Verde.

Arlindo Barbeitos

roçando
pelo teu rosto
tombou ao chão
a estrela cadente

guarda-a
é o ouro dos sonhos

      Arlindo Barbeitos é um poeta angolano.

O realismo figurativo de Serge Marshennikov









      É um pintor hiper-realista muito considerado. Serge Marshennikov nasceu em 1971 em Ufa, Bashkiria, ex-URSS. O seu avô era gerente de uma empresa de criação de cavalos, o pai engenheiro electrotécnico e a mãe professora no ensino pré-escolar. Foi, precisamente, a mãe que o incentivou a estudar arte desde a infância, e teve uma sucessão de professores particulares. Os motivos figurativos são repetidos mas o resultado é excelente

Arquivo do blogue