Arcangelo Corelli - O Ensemble Laura Soave interpreta o Concerto Grosso op. VI



      O Ensemble Laura Soave é composto pelos seguintes elementos: Claudia Combs e Nicholas Robinson, nos violinos; Diego Cantalupi, no theorbo, e Davide Pozzi, no harpsichord. O concerto de Corelli tem quatro andamentos e este é o primeiro. Note-se a qualidade da execução e a alegria que o todo emana. 

Catarina Nunes de Almeida

agora a mulher estava no plural
a mulher era potável
a mulher escrevia o missal do seu corpo

um dia o anjo disse - vai à fábula -
então a mulher escolheu escrupulosamente o seu pé esquerdo 
e foi.

in, Marsupial

    Como diz a escritora Clarissa Pinkola, as mulheres precisam de correr com os lobos.

Inês Dias

Quero-te assim.
Com as pernas que nunca tive
para te seguir
e todos os dedos que fui
amputando, do lado do coração,
em castigo por não te saber tocar.

Assim, de cabeça finalmente perdida
para te explicar apenas
o essencial -

não há palavras
suficientes a este amor.
E um poema, mesmo de pedra,
também passa, a menos que
te ganhe para sempre os olhos.

in, In Situ

      Quando a palavra não chega para seduzir o homem, a poetisa usa o corpo. Nada de novo. 

António Reis


Mudamos esta noite
E como tu
eu penso no fogão a lenha
e nos colchões
onde levar as plantas
e como disfarçar os móveis velhos
Mudamos esta noite
e não sabíamos que os mortos ainda aqui viviam
e que os filhos dormem sempre
nos quartos onde nascem
Vai descendo tu
Eu só quero ouvir os meus passos
nas salas vazias.



      Segundo o Observador a última vez que se publicaram os ‘Poemas Quotidianos’ de António Reis foi em 1967, há 50 anos. Ora, a editora Tinta da China resolveu resgatá-los do esquecimento e cria um dos grandes acontecimentos literários do ano.
      António Reis nasceu em Valadares, Vila Nova de Gaia em 1927 e morreu em Lisboa, em 1991, em consequência de uma pneumonia. Na sua vida, no seu cinema, como na sua poesia tudo é enganadoramente simples e tudo está sempre na iminência de escapar ao que julgávamos saber.
      As figuras femininas e os objectos domésticos dos poemas de Reis só têm paralelo noutro poeta da imagem, Bela Tarr, em especial no filme “Cavalo de Turim”, onde, tal como em Reis, o ambiente fechado, quase concentracionário, a repetição, o hábito, até a erosão da rotina, das dúvidas, da falta de dinheiro, dos desencontros servem para ele traçar o seu quadro do desespero humano e, ao mesmo tempo, fazer transparecer a dimensão sagrada das ligações, dos objectos, da casa. “Só as casas explicam que exista/ uma palavra como intimidade”, escreveu Ruy Belo. Mas Reis não enuncia a partir de uma compreensão exterior, demonstra a partir de uma sensação interior:

Sei
ao chegar a casa
qual de nós
voltou primeiro do emprego
Tu
se o ar é fresco
eu
se deixo de respirar
subitamente.

Sei que choras
muitas vezes
sozinha
e que lavas
o rosto
(ah onde
ando eu)
Para a tua dor
não ser minha.


      in, artigo de Joana Emídio Marques no 'Observador', 6 de Agosto de 2017.

Cecile Corbel - Entendez Vous



      A música tradicional liga o passado com o presente, o casebre com o palácio, a dor com a alegria e faz a comunhão simples das pessoas nos seus povos, com a poesia dos elementos e melodias sacras.

C'est une histoire du temps passé 
Échappée d'un songe 
Simple mensonge ou vérité
Pour qui veux l'entendre
Auprès d'un chêne abandonné
Un enfant repose 
Dans un carré de laine
Et l'arbre assoupi
Étends ses branches
"Berce l'enfant tout contre lui"

Refrain: Entendez-vous là-haut
Cette chanson comme une symphonie
resteront- elles closes
Les portes vers le paradis?

L'enfant s'endort paupières closes
Si loin de chez lui
Toutes les étoiles du ciel vont le veiller ensembles
Du fond de la nuit
"Couvre l'enfant manteau d'argent" Refrain:

Messire le Vent je vous en pris
Entendez ma cause
Vous qui soufflez au dehors menez l'enfant
Sur le dos de la brise
"Portez l'enfant dans son berçeau"  Refrain:

William-Adolphe Bouguereau - La Petite Ophélie, 1875




      O mito de Ofélia é um tema recorrente na pintura universal, que tem origem numa cena de Hamlet, de Shakespeare. Na peça do dramaturgo britânico, Ofélia enlouquece de desgosto após a morte do pai e afoga-se ao apanhar flores. Aqui, ainda é jovem e já parece adivinhar o seu destino.

Alberto Pimenta

já tentaste praticar o bem
fazendo mal?
já tentaste praticar o mal
fazendo bem?
já tentaste praticar o bem
fazendo bem?
já tentaste praticar o mal
fazendo mal?
já tentaste praticar o bem
não fazendo nada?
já tentaste praticar o mal
fazendo tudo?
já tentaste praticar tudo
não fazendo nada?
e o contrário, já tentaste?
já?
seja qual for a tua resposta,
não sei que te diga.

in, Prodigioso acanto

Alice Vieira



como dizer aos meus olhos que se afastem
do incêndio que lavra a oriente do teu sangue
rasgando a minha fonte

e me protejam nesta imperfeita madrugada
em que as línguas dos homens e dos anjos
se confundem

in, Dois corpos tombando na água

Amália canta com a mãe



      É uma ternurita, não é?  Lucinda da Piedade Rebordão Rodrigues não quis deixar de ser simples e pertencer ao povo simples.

John Dowland - Now, o Now I Needs Must Part



      O tema 'Now, o Now I Needs Must Part' retirado do The First Book Of Songs Or Ayres, 1597 de John Dowland e, aqui, actualizado pelos Les Canards Chantants, grupo coral americano, que se dedica à polifonia da Renascença. Embora sejam naturais de Philadelphia, o video foi filmado num comboio a vapor "on the North Yorkshire Moors Railway in the north of England". E deixam esta estranha nota: "See if you can spot the station used as 'Hogsmeade' in the Harry Potter movie. All aboard the Hogwarts Express!"


The First Book Of Songs Or Ayres, 1597

José Gomes Ferreira

Porque é que este sonho absurdo
a que chamam realidade
não me obedece como os outros
que trago na cabeça?

Eis a grande raiva!
Misturem-na com rosas
e chamem-lhe vida.

Funchal - Nossa Senhora do Monte





Hoje, no Funchal uma árvore matou 13 pessoas. A natureza nem sempre é poesia de paz e de bem.

Ana Paula Tavares - O Cercado

De que cor era o meu cinto de missangas, mãe

feito pelas tuas mãos
e fios do teu cabelo
cortado na lua cheia
guardado do cacimbo
no cesto trançado das coisas da avó

Onde está a panela do provérbio, mãe
a das três pernas
e asa partida
que me deste antes das chuvas grandes
no dia do noivado

De que cor era a minha voz, mãe
quando anunciava a manhã junto à cascata
e descia devagarinho pelos dias

Onde está o tempo prometido p'ra viver, mãe
se tudo se guarda e recolhe no tempo da espera
p'ra lá do cercado.

Ana Paula Tavares

(Dizes-me coisas amargas como os frutos)

José Saramago

Aprendamos, amor, com estes montes 
que, tão longe do mar, sabem o jeito
de banhar no azul dos horizontes. 
Façamos o que é certo e de direito:
Dos desejos ocultos outras fontes
e desçamos ao mar do nosso leito.

in, Os Poemas possíveis

Sandro Botticelli 1445-1510







      No quadro, a deusa clássica Vénus emerge das águas numa concha, sendo empurrada para a margem por Zéfiro, o Vento Oeste, símbolos das paixões espirituais, e recebendo, de uma Hora - as Horas eram as deusas das estações -, uma manto bordado de flores. Alguns especialistas argumentam que a deusa nua não representaria a paixão terrena, carnal, e sim a paixão espiritual. In, Wikipedia. 

Matilde Rosa Araújo

Mãe, as flores adormecem
quando se põe o Sol!
Filha, para as adormecer
canta o rouxinol...
Mãe, as flores acordam
quando nasce o dia!
Filha, para as acordar
canta a cotovia...
Mãe, gostava tanto de ser flor!
Filha, eu então seria uma ave.

     Ensinar o encanto.

Juan José Saer - A arte de narrar

Cada uno crea
de las astillas que recibe
la lengua a su manera
con las reglas de su pasión
- y de eso, ni Emanuel Kant estaba exento.


  Cada um cria
  das lascas que recebe
  a língua a seu modo
  com as regras da sua paixão
  - e disso, nem Kant estava isento.

A tradução é de Albino M. do blogue 'Rua das Pretas'.

I'm With Her - A Hundred Miles



      A folk americana é a síntese de várias folks europeias e não só. Woody Guthrie, Pete Seeger, Bob Dylan e Joan Baez ampliaram essa síntese. I'm With Her é um grupo de netas dessa geração: Sara Watkins, Sarah Jarosz e Aoife O'Donovan, que com o trio The Jeremy Kittel dignificam este tema de Gillian Welch 'A Hundred Miles'. Silente e belo. 

Sophia de Mello Breyner Andresen

Sei que seria possível construir o mundo justo 
As cidades poderiam ser claras e lavadas 
Pelo canto dos espaços e das fontes 
O céu o mar e a terra estão prontos 
A saciar a nossa fome do terrestre 
A terra onde estamos — se ninguém atraiçoasse — proporia 
Cada dia a cada um a liberdade e o reino 
— Na concha na flor no homem e no fruto 
Se nada adoecer a própria forma é justa 
E no todo se integra como palavra em verso 
Sei que seria possível construir a forma justa 
De uma cidade humana que fosse 
Fiel à perfeição do universo 

Por isso recomeço sem cessar a partir da página em branco 
E este é meu ofício de poeta para a reconstrução do mundo.


in, O Nome das coisas

      A poesia ajuda a embelezar e a dignificar a pessoa humana.   

Natália Correia - Meditação

A carne é flor ou consequência do seu perfume?
Seja o que for
é intensidade que a flor resume

A mão é gesto que ultrapassa. 0 gesto é além.
Porque a mão toca o horizonte
que o gesto da mão contém

O homem canta.
E enquanto canta o homem dura.
Porque o seu canto é perceber
que a voz prevalece a criatura.


    Transfigurar o belo.

Poema azul de Sophia de Mello Breyner Andresen


Hilda Hilst

Lobos? São muitos.
Mas tu podes ainda
A palavra na língua
Aquietá-los.
Mortos? O mundo.
Mas podes acordá-lo
Sortilégio de vida
Na palavra escrita.
Lúcidos? São poucos.
Mas se farão milhares
Se à lucidez dos poucos
Te juntares.
Raros? Teus preclaros amigos.
E tu mesmo, raro.
Se nas coisas que digo
Acreditares.

      Há vários credos para as palavras mas poucos se concretizam.

Lugar



      Só se tem tudo quando se perde tudo. Senhor, eu não preciso que o pássaro desça da árvore até à minha mão, Tu és a floresta e, aí, eu habito.

Pink Floyd - Julia Dream, 1968



Sunlight bright upon my pillow
Lighter than an eiderdown
Will she let the weeping willow
Wind his branches round
Julia dream, dreamboat queen, queen of all my dreams.

Every night I turn the light out
Waiting for the velvet bride
Will the scaly armadillo
Find me where I'm hiding
Julia dream, dreamboat queen, queen of all my dreams.

Will the misty master break me
Will the key unlock my mind
Will the following footsteps catch me
Am I really dying
Julia dream, dreamboat queen, queen of all my dreams.

      A melodia é muito bela e a letra psicadélica com fluidos cor de rosa. As animações são de Julia Gromskaya.

Ferreira Gullar - Não há vagas

O preço do feijão
não cabe no poema. O preço
do arroz
não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão
O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em arquivos.
Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras
- porque o poema, senhores,
está fechado:
“não há vagas”
Só cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço
O poema, senhores,
não fede
nem cheira.

      O poema embeleza o espelho do seu tempo, por isso não deve evitar a realidade social. A arte pela arte deve ter apenas o seu valor.

Daniel Faria

Desejo o útero de tudo e estou a fazer um rio.

Herberto Helder - O olhar é um pensamento

O olhar é um pensamento.
Tudo assalta tudo, e eu sou a imagem de tudo.
O dia roda o dorso e mostra as queimaduras,
a luz cambaleia,
a beleza é ameaçadora.
- Não posso escrever mais alto.
Transmitem-se, interiores, as formas.

      O que se vê pode vir de Deus ou do Diabo e, por vezes, vem dos dois ao mesmo tempo. É preciso aprender com a idade a lidar com ambos.

Nacho Duato



      Before Spanish choreographer Nacho Duato created a ballet set to works by J.S. Bach, he spent more than a year listening to music by the 18th-century German composer. When he finally stepped away from the stacks of CDs, he was ready to choreograph 22 pieces of music ranging from the popular cello preludes to the most obscure concertos. He was also profoundly humbled by Bach's prolific output.

Natália Correia

A minha beleza é mais dizível
nos segredos que perscruto 
no mar que um búzio retém

Vozes que só eu escuto 
são a forma do meu corpo 
aqui absorto 
num sonho que depus além.


      É nos segredos do búzio que habita o mistério. 

Sean Keane - Exile



Now the fire is burning low
And it'll soon be time to go
And as the night turns into dawn
With the light I will be gone
So kiss me once and then I will go
And sing my name out soft and low
And as I turn on down the road
Your kiss will lighten up the load.

  And I'll go I never will return
  Inside a hope will always burn
  That we may meet in some place once again
  And you and I will still be friends
  The sun is shining brightly on the mountain and the sea
  The waves are white round Enishmore
  The ship lies in the harbour waiting for an evening breeze
  To take us to some foreign shore.

The world we lived in now is past
and winds of change are coming fast
But I will not forget the land
Where you and I walked hand in hand

So kiss me once and say goodbye 
and we'll try hard not to cry
These tumbling thoughts go through my head
Will stay forever left unsaid.

      Uma canção de despedida entre um marinheiro irlandês e a menina que encontrou no porto. Mais um monólogo dramático, onde os afectos são eternos por breves horas. 

Marianne von Werefkin - The Rag-Picker, 1917









      O expressionismo desta pintora russa, 1860-1938, revela-se na intensidade da cor e em motivos sugerem solidão, sobrevivência e convivência possível.  

E.E. Cummings

que o meu coração esteja sempre aberto às pequenas
aves que são os segredos da vida
o que quer que cantem é melhor do que conhecer
e se os homens não as ouvem estão velhos

que o meu pensamento caminhe pelo faminto
e destemido e sedento e servil
e mesmo que seja domingo que eu me engane
pois sempre que os homens têm razão não são jovens

e que eu não faça nada de útil
e te ame muito mais do que verdadeiramente
nunca houve ninguém tão louco que não conseguisse
chamar a si todo o céu com um sorriso.

     São pouco a razão e a utilidade. Ser feliz é mais.

George Elgar Hicks - A Summer bouquet



      O meu pai costumava dizer "Os agricultores não têm depressões, nenhum deles precisa de psicólogo ou psiquiatra". Ontem, ajudei um amigo a apanhar batatas e senti o cheiro da terra e da natureza. Depois do banho sentia-me novo, como se cada célula do meu corpo agradecesse o esforço, pois o stress e as energias negativas foram absorvidas pela Grande Mãe. Agora, sinto o quanto o homem moderno se afastou da natureza.

Poema Islandês

Aproximou-se
e com o lápis de gelo terá desenhado o arco-íris
que o bando de gansos escolheu para fazer o ninho.
Com a lã do tempo terá tecido a roupa
para os movimentos e para aquilo que cresce,
para os pequenos rebentos da faia, para o peixe e para o homem.

Num caminho de pedras
terá abandonado as sandálias de ervas
antes de afastar-se.

entre ter chegado e ter partido
demorou um segundo, um bilião de anos.

in, Os Herdeiros do vento - Antologia apócrifa


      G.H. Böll, colecionador de poesia nórdica, encontrou este poema em 1946, em Stykkislómur, na Islândia. 

The Furrow Collective - I'd Rather be Tending my Sheep



If I was the King of Taunton town
I'd wear a sword and a golden crown.
I'd ride on afore when we went to the war
With soldiers to follow, a hundred or more!

But I'd rather be tending my sheep,
Yes, I'd rather be tending my sheep;
My ewes and my rams and my little young lambs,
I'd rather be tending my sheep.

If I was a Bristol merchant-man,
With silver to collar and silver to hem,
And fine chests of gold, a sight to behold.
The thieves and the robbers they'd soon make me old.

A shepherd I've been all the days that I've seen,
When the fields they're white and the fields they are green.
And I do meet my foe when the cold wind does blow,
When the foxes so cunning hide down in the snow.

      Esta canção infantil da folk inglesa do século XIX dá a conhecer que são preferíveis as coisas simples às que resultam das grandes ambições.

Arquivo do blogue